terça-feira, 31 de maio de 2016

Passado

Falta vida na vida
de um sorriso quebrado
num quarto sombrio
Da dor outrora querida

à repulsa do sangue
dos pulsos cortados
Perdição! então me guio
na sombra de um sonho acordado

sedado, o sufoco e o sossego
no peito partido, passado
um tanto pesado, partindo, pois

que tenho todo o tesão
em respirar afogado
no fogo desta paixão

Minha

Minha arte é minha
é minha parte
é parte minha

Minha arte é meu
parte que eu sou
arte que é meu

Sou arte que parte
minha parte que é arte
é arte que eu sou
e em parte sou teu

domingo, 8 de maio de 2016

Cá entre nós

Cá entre nós
entre o aleatório que convém
e os pés no chão de outro mundo
há palavras que fluem

dos teus lábios eruditos
tuas flores, minhas dores
a inteligência lasciva
a fé que está viva

Que o abstrato palpável
do cheiro, do gosto que sinto
quando sinto que não sei sentir

de longe vejo luzir
o brilho do teu luar
cá entre nós