terça-feira, 20 de outubro de 2015

Morte

Morte!
quem dera tivesse sorte...
e é deveras bela a vida
(é o que dizem)
mas também é sozinha
soturna, sofrida
(pelo menos a minha)

Detesto o ciclo da dor
que passa e volta mais forte
com gosto de morte
fortalece mas dói
fortalece e dói
fortalece, dói

Volta a dor, não volta o amor

E essa dor que não me solta
em cada momento que passo
perdido, ardendo em revolta
feneço em meu leito meu corpo lasso


quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Copo d'água

Eu, sedento e só
perdido em sofrimento
com a garganta seca,
me afogo no teu copo cheio
perco o ar e o chão
engasgo com teu rancor
e a que água corrói as entranhas
dilacera minha alma
(já não vivo mais)

Calma, perdoe-me por
tomar o que não é meu
é que eu nunca tive um copo

Não tenho sonhado

Não tenho sonhado
e mesmo deixando de lado
tudo aquilo que um dia
preenchera a vida vazia
sigo sozinho e calado

Vestindo um sorriso falso
sustento a cabeça erguida
(que para mim é fácil)
conheço meu novo velho eu
e pouco tenho gostado
deste que não mais extravasa
no onírico mundo particular

Preso em minha confusão
desarrumo meus pensamentos
aniquilo meus valores
tudo vira um tornado
E já tornado quem não sou
enterro tudo que fui
O luto é esquecer o passado
e ignorar meus amores

Ainda não tenho sonhado
mas vivo de todas as dores

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Oceano

Jamais vislumbraria
que afogado neste oceano
a mim mesmo encontraria

E morto para a vida
mas vivo na profundeza
sigo perdido na beleza
deste mar profano

Meu espelho para o céu

Never

We used to be soulmates
now we can't even be roommates
'cause there's so much hate
Are we the same?
we'll never ever be the same 
You killed my soul
you burned my room
I'll never be the same
'cause I'll never be
never be alive again